Morador de Anápolis é encontrado morto dentro de veículo na BR-060 em Abadiânia

O filho da vítima foi executado por mais de 20 tiros em janeiro de 2018 dentro do seu veículo no Feirão do bairro Jundiaí

Um homem de 60 anos de idade identificado como Paulo Alberto Ribeiro irmão do dono da Carmo Imóveis morreu na noite desta quinta-feira (17) na BR 060, município de Abadiânia, após perder o controle da direção do veículo que ele dirigia e colidir com um poste de cimento de cerca de Fazenda.

A vítima que conduzia um GM Vectra, seguia no sentido Abadiânia para Anápolis quando o veículo saiu da pista, invadiu a faixa de domínio e colidiu com um poste de cimento de uma cerca de uma propriedade rural.

No local não existe marcas de frenagem, inicialmente a PRF, a equipe de socorrismo e os peritos que compareceram ao local acreditaram que o homem pudesse ter sofrido de um mal súbito.

Posteriormente, no Instituto Médico legal em Anápolis, os peritos constataram que o homem foi vítima de homicídio, confirmado através de projétil de arma de fogo que transpassou o crânio da vítima.

O senhor que morreu na noite desta quinta-feira (17) é pai de Paulo Sidrach que foi executado com mais de 20 tiros em janeiro de 2018 dentro do seu veículo no Feirão do bairro Jundiaí.

 

2 comentários em “Morador de Anápolis é encontrado morto dentro de veículo na BR-060 em Abadiânia

  • 18 de janeiro de 2019 em 18:59
    Permalink

    Será que é reflexo da execução do FILHO ??

    Resposta
  • 18 de janeiro de 2019 em 19:59
    Permalink

    O Paulinho (era assim que o chamávamos) era uma pessoa muito contente com a vida, pessoa simpática, de muitos amigos e bem-humorado.
    Depois da dor sofrida em razão do assassinato de seu filho (Paulo Sidrach), ele passou a ter depressão, isolou-se do mundo e, se não me engano, estava fazendo tratamento com psicólogos e psiquiatras.
    Ele já tinha pedido para lavaram um apartamento no prédio onde eu e outro amigo dele moramos, e isso vem acontecer.
    Eu só queria fazer uma observação em relação às suspeitas do delegado que, em outro artigo que li, suspeita que o assassino estava com a vítima dentro do carro. Tal autoridade não pode descartar a possibilidade de suicídio também, sem falar que, na ausência de marcas de frenagem, seria um contrassenso que o agente ativo fizesse tal disparo com o carro em movimento, sujeitando-se a sofrer risco de ferimentos ou até mesmo de morte, haja vista que é previsível que o veículo viesse a sair da pista com velocidade suficiente para se chocar contra algo fora da estrada.
    Caso o senhor delegado tenha motivos para suspeitar que o pretenso homicida praticou a conduta dentro do carro, que a perícia, no exame do corpo de delito, investigue vestígios, como, e.g., pegadas próximas à porta do passageiro.
    Que o caso seja elucidado, e que seja feita justiça.
    Paulinho, meu amigo, que Deus o tenha. Você fará falta entre nós.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *