Demissão por conta de fantasia em festa de firma gera polêmica

A demissão de três funcionários da multinacional Salesforce por conta de uma fantasia polêmica utilizada na festa de fim de ano da empresa tem dado o que falar.  Um dos empregados ousou e foi fantasiado do personagem conhecido como “negão do WhatsApp”. A imagem dele, ao lado de outros colegas, foi publicada no Facebook. Lá em São Francisco, nos EUA, funcionários da matriz viram a imagem e não gostaram – de acordo com a Veja, houve uma denúncia através dos próprios canais internos da empresa. Veio de lá o pedido para a demissão do empregado.

Outros dois empregados também foram demitidos por conta da situação. Segundo a Folha, o  diretor comercial tentou manter o funcionário que se fantasiou de “negão do Whatsapp” no cargo e a sede, então, teria decidido desligá-lo também. Até que o presidente da subsidiária tentou interferir e amenizar a situação, mas teve o mesmo destino dos outros funcionários. O argumento era que o Brasil é “mais liberal” que os EUA nessas questões, mas a matriz não aceitou.

A demissão dos três funcionários gera controvérsias entre especialistas em gestão de pessoas. Ouvido pela Folha de S. Paulo, o coordenador de MBA da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Edmarson Bacelar Mota, considerou a solução excessiva. Para ele, uma saída seria a conversa ou mesmo a suspensão dos envolvidos.

Já Marcia Vazquez, gestora de capiral humano de operações da Thomas Case & Associados, acredita qie a punição poderia ter sido ainda mais rígida e envolver outros funcionários. “Estamos num país liberal, mas as matrizes levam a sério princípios rígidos”, diz.

Sérgio Margosian, gerente de recursos humanos da consultoria Michael Page, lembra que os limites de descontração dos funcionários dependem da cultura da empresa. Além disso, o fato de se tratar de uma multinacional deixa a situação ainda mais complexa. “A cultura do Brasil é diferente de outros países, aqui temos costumes que, em outros lugares, não existem”, disse em entrevista à Folha de S. Paulo.

Comentários no Facebook